O magnata da moda Peter Nygard é indiciado por acusações de tráfico sexual

Peter Nygard, o ex-CEO de uma linha de moda com sede no Canadá, foi preso e acusado de extorsão, tráfico sexual e outros crimes depois que as autoridades em Manitoba agiram em um pedido de extradição dos EUA, disseram promotores federais em Nova York na terça-feira.

Nygard, 79, é acusado de usar a influência de sua empresa agora extinta, Nygard International, funcionários e fundos para “recrutar e manter vítimas adultas e menores de idade” durante um período de pelo menos 25 anos para a “gratificação sexual” de a si mesmo e “seus amigos e sócios de negócios”, de acordo com a acusação.

Nygard supostamente tinha como alvo mulheres e menores de “contextos econômicos desfavorecidos”, incluindo aquelas com histórico de abusos. Nygard e seus associados são acusados ​​de agredir à força essas vítimas, bem como de drogá-las.

Além disso, a acusação afirma que Nygard manteve relacionamentos com um certo número de suas vítimas, a quem chamou de “namoradas”. Eles seriam obrigados a viajar e se envolver em atividades sexuais com ele, e teriam sido controlados por meio de “força, fraude e coerção”. Algumas dessas “namoradas” estavam na folha de pagamento da Nygard International como modelos ou assistentes, diz a acusação.

A Nygard International pediu concordata em março, um mês depois que seus escritórios em Nova York, localizados na Times Square, foram invadidos pelo FBI e pela NYPD como parte da investigação que levou à prisão e indiciamento nesta semana.

Nygard supostamente caçava mulheres em eventos chamados “pamper party” (tradução livre: “festas de mimos”), realizados em suas propriedades em Marina del Rey, Califórnia, e nas Bahamas. Algumas mulheres, incluindo menores, foram drogadas nesses eventos para forçar seu cumprimento, dizem os promotores. Ele também atraiu vítimas com a promessa de carreiras na indústria da moda, de acordo com a acusação.

Jay Prober, advogado de Nygard, disse ao The New York Times que negou as acusações contra seu cliente. A audiência de fiança está marcada para 13 de janeiro, mas Prober está buscando uma audiência já na próxima semana, informou o Times.